Firuriruriu, Brasil!

Imagem

Anúncios

A MP da Dilma!

As políticas governamentais, por vezes, incentivam a discriminação!

Sempre pensei que as medidas protecionistas às minorias eram fruto da ignorância de nossos representantes no governo! Minha opinião está prestes a mudar, pois ao invés de ignorantes, parecem estimular, intencionalmente, a discriminação às pessoas enquadradas neste ou naquele perfil! Eis minha primeira teoria da conspiração!

É possível que sejam tão cegos e insensatos?! Talvez.

Bola da vez: No Dia Internacional da Mulher, a generosa presidente Dilma Rousseff anuncia uma MP (Medida Provisória) que altera o “Programa Minha Casa, Minha Vida”. Neste novo contexto, havendo o desfazimento da união, a menos que o homem tenha a guarda exclusiva dos filhos, o imóvel financiado por meio do referido programa fica sendo de propriedade da esposa. (Primeiro ponto: As famílias não são formadas apenas por homem e mulher, como ficaria em caso de casais homoafetivos???)

Em suma, eu poderia apenas dizer: Estou p da vida com a Dilma!

No entanto, isso seria excessivamente sucinto e sem fundamento!

Em uma sociedade machista, como é a nossa, medidas como esta são combustíveis para o motor da discriminação!

Agora, pergunto: Por que cargas d’água, em caso de dissolução da sociedade conjugal, o imóvel fica com a mulher?!?!?! Isso é o cúmulo do absurdo!

O próprio governo está gritando aos quatro ventos que nós, mulheres, somos incapazes de travarmos nossas próprias batalhas!

A MP ridiculariza a figura feminina e apenas instiga mais e mais os preconceitos! A própria norma é discriminatória!

Caros leitores, atualmente, as famílias (sejam de baixa ou alta renda) não seguem os moldes de outrora! Vejo que a fonte de renda, frequentemente é equilibrada entre o casal e, em outros tantos casos, a mulher é a mantenedora principal do lar! Há muitos casos em que o polo menos abastado da relação é o homem, pois já não se destacam os conceitos de unir-se com um homem que, necessariamente, ganhe mais do que a mulher! O inverso, obviamente, também é recíproco!

Concordam que, se o casal conseguiu financiar a casa pelo “Programa Minha Casa, Minha Vida”, os dois têm renda relativamente baixa?!?! Este é um ponto a se atentar!

Quaisquer avanços dados pelos brasileiros, rumo a posturas mais igualitárias, estão retrocedendo! Salvo exceções de pessoas que, de fato, possuem necessidades especiais, é simplesmente inadmissível esse abismo de classes privilegiadas formadas pelas ditas minorias! E o maior escavador deste abismo é o governo!

Somos todos igualmente capazes de conquistarmos nosso espaço, o esforço e o mérito vem de cada um! Sexo, cor, etnia, nacionalidade, não são elementos que implicam na competência daqueles que se enquadram neste e naquele!

Criar situações diferenciadas para mulheres, negros, índios, homossexuais, e quaisquer outras minorias, é medida mais do que discriminatória e de reconhecimento por parte dos nossos representantes no governo da incompetência que assolariam estas minorias (que nem são tão minorias assim!!!!)! É este o estigma que desejam que os persiga?! Sou mulher e não admitirei tamanho desrespeito!!!

Graças a essa espécie de postura, vemos os atos discriminatórios e a violência contra as pessoas crescendo dia após dia! Não estamos vivendo em uma sociedade de respeito mútuo e aprendizado, estamos vivendo em uma sociedade agressiva de classes privilegiadas!

Isso não é pregar a igualdade, é acariciar uns e apedrejar outros! Não esqueçam, contudo, que os ‘acariciados’ em questão são aqueles que serão apontados pelos apedrejados, os quais tendem a se indignar e apedrejam em resposta! Digo, com isso, que há uma enorme tendência de aumento da discriminação e represálias, que não afetam o governo, mas sim os agraciados pelo protecionismo preconceituoso e paliativo!

Assim como considero inconstitucional a Lei Maria da Pena, pois não traz a igual defesa aos homens que sofrem violência doméstica; considero essa MP inconstitucional! Um dos primordiais princípios do nosso ordenamento, qual seja  da igualdade, é dilacerado!

Essa MP é injusta, sequer dá ao homem o direito de lutar pelo que também lhe é direito! É arbitrária! Inexiste qualquer juízo de mérito!

Já foi o tempo em que a mulher era uma mera criatura dependente e subjugada às vontades e à renda do marido!

Querem tirar o atraso? Ou vingar as ancestrais? Poupem-me!

Lutem e ganhem o respeito merecido! (e isso vale para todas as ditas “minorias”!)

 

 

Uma manifestação pelo Brasil!

Registro aqui minha inconformidade com a manipulação descarada e falta de habilitação e capacidade em provar-se o seu valor!

É praticamente impossível que eu não me revolte cada vez que ligo minha televisão e deparo-me com propagandas políticas, propaganda em sentido pleno, a começar, pois o que se visa é vender um produto, ainda que deveras falso e defeituoso! Um circo de horrores, um momento de comédia da televisão brasileira!

Cada pérola que se estampa em nossas telas, prontas a mentir ou a dizer asneiras absurdas! Isso, é claro, ignorando completamente a palhaçada e o choque em descobrir-se figuras incompetentes e absurdas candidatando-se, tais como humoristas falidos, lutadores de box, cantores, estilistas. Cada argumento esdrúxulo: “Vote Tiririca, pior que tá não fica”! São esses nossos futuros representantes?! Triste saber que alguns deles terão êxito nas eleições! Tão triste quanto é saber que peças não tão “ilustres”, são igualmente ridículas e tocas, inaptas a legislarem e defenderem os direitos de nosso povo!

O que mais me revolta, contudo, é que uma pessoa chegue ao presidencialismo às custas de outra. “O Lula fez, eu vou continuar”, ou melhor dizendo “Eu fiz, a Dilma vai continuar!”. Claro que sim, a segunda frase é mais adequada, vez que não é a Dilma que faz suas campanhas, mas sim o aclamado Luiz Inácio Lula da Silva, pois não esqueçamos que ela por si só não possui o carisma e a capacidade de se eleger.

Primeiramente, nas campanhas da Dilma, ela mesma mal se manifesta, quase todo o tempo usado é entregue para os geniais discursos de Lula, como se ele estivesse se candidatando, mas não! Ele apenas prepara o campo e manipula o povo a pensar que ele continuará no poder, agrada aqueles que preferem receber o peixe, ao invés de aprender a pescá-lo.

Veja-se o absurdo! Inconformismo! Os percentuais de Dilma crescem em função de mera enganação! Marionetes vocês que acreditam na capacidade de tal pessoa, que sequer anda com as próprias pernas, agarrando-se á popular imagem de alguém que, ainda que não seja dos mais brilhantes, construiu sua carreira política com o próprio esforço e a própria luta no decorrer de décadas!

Segundamente, que promessas geniais apenas continuar o que já há! Não se busca, então, o desenvolvimento e o crescimento de nosso Estado? Parece-me que a estagnação do Brasil é o argumento de nossa “digníssima” candidata!!! E convenha-se mencionar, possivelmente ela não continuará nada do que foi feito, possivelmente sequer criará políticas que de fato venham a favorecer o povo brasileiro, a natureza brasileira, o nosso futuro.

Como se pode confiar em alguém assim?

Como se pode confiar em alguém que usa de muleta alguém que lhe possibilita aparecer e conquistar os facilmente enganados?

Como se pode confiar em alguém que não apresenta seus planos de crescimento da coletividade?

Como se pode confiar em alguém que não vê você, eleitor, como uma pessoa e sim como um boneco de manipulação?

Não digo que os demais sejam candidatos ideais, digo ela é a pior opção!

Não confio em alguém que de maneira tão descarada, com a cara tão lavada e com tanta falta de caráter, tenta me usar, e a vocês!

 

SUA CAMPANHA É A MAIOR FALTA DE RESPEITO COM A NOSSA INTELIGÊNCIA!

 

O QUE QUEREMOS OUVIR? LULA FALANDO DE DILMA? OU DILMA FALANDO DO QUE PRETENDE FAZER PARA MELHORAR O BRASIL?

Nada contra, mas tudo contra!

Intrigante esse falso patriotismo ou patriotismo esquecido e recordado tão-somente de quatro em quatro anos.

Não falo, porém, do lapso temporal que anuncia novas eleições para nossos representantes nos Poderes Executivo e Legislativo, quando deveria estar em alta o interesse pela Pátria e pelo povo que ela abriga. A despeito disso, as eleições não passam de período de barganhas e votações indiferentes e desinteressadas sobre o futuro que aguarda o Estado brasileiro.

Patriotismo exacerbado! As bandeiras de verde retângulo estendem-se nas janelas, seu losango pendura-se sobre o vidro dos carros em hastes plásticas, sua circunferência azul desenha-se em cada paisagem e as estrelas salpicam-se pelas calçadas. Pouco se lembra sobre seus significados, sequer se recorda da “Ordem e Progresso”. Revolta-me, por sinal, que percentagem relevante de nossos tantos patriotas pensem que se escreve “Ordem ou Progresso”! Absurdo ofensivo às pretensões que se manifestam no original e do que deveria, em tese, ser objetivo de nosso Brasil.

Quatro anos de abandono e vidas ao léu, até que se anuncia a chegada de um evento! Eis a Copa do Mundo, a movimentação é mundial! Em nada me manifesto acerca do acontece em outros lugares, nem mesmo os conheço! Contudo, conheço o suficiente de meu povo para poder falar de tudo isso!

O povo faz-se em festa e as tristezas sufocam-se, cresce a temporária felicidade de torcer por aquilo em que um dia fomos os melhores! A pobreza deixa de existir por esse período de tempo tão ínfimo, o consumismo propaga-se em verde e amarelo e até quem nada tem, nem mesmo comida, compra um item, ou vários, para gritar adequadamente com todo seu pulmão quando assistir a um jogo do Brasil.

Vejo empresas pararem seu funcionamento, órgãos públicos, absurdamente, deixando de prestar serviços ao povo que lhe necessita! A importância do que realmente importa e do que repercutirá no daqui para frente é ignorada em prol de um “quem carregará a taça?”.

Por mais desacreditada que esteja a seleção e aqueles que nos representam em jogos, lá estão os brasileiros torcendo sem faltar!

Não se critica, aqui, a importância cultural de um evento de tal magnitude, tampouco a relevância para o moral do sofrido povo, anuviando-lhe temporariamente as infelicidades que pintam a vida. Essa é a magia que mais se admira em tudo quanto circunda a realidade de uma movimentação popular!

Critica-se, no entanto, que a defesa de nossa pátria pelo povo que dela advém seja tão restrito a um momento como este. O patriotismo fica inerte, adormece em longa hibernação no dia seguinte ao fim dos jogos e renasce apenas quando da abertura da próxima, quatro anos mais tarde.

O maior movimento que se pode fazer é torcer com cornetas e camisetas por um jogo? Infeliz a mentalidade brasileira está amortecida e entorpecida pela denominada política do pão e circo.

Incapazes somos de defender e lutar por nossos direitos e pelo nosso crescimento econômico, social e moral!

Meras marionetes, induzidas ao consumismo e ao falso patriotismo assim que a mídia lança os novos anúncios. Trabalhados e lapidados para que não passemos de simples mariscos, acomodados às desgraças do dia-a-dia sem nunca erguer as bandeiras da Pátria para lutar por nossa dignidade e pelo respeito que todos merecemos.

Festejar é maravilhoso, é importante e renova as forças para o enfrentamento dos males cotidianos! Uma pena que nos apeguemos tão fielmente apenas ao cotidiano individualíssimo, que se restringe às paredes do nosso lar.

Se há corrupção de nossos nobres representantes, para que nos mobilizar? Não é algo que se consiga relacionar diretamente àquela ferida que se abriu em nossa carne! É normal demais a corrupção, para que enfrentá-la? Para que lutar com intuito de derrubá-la? É muito mais fácil mergulhar-se na desonestidade e roubar à mão-armada, caso não se tenha cacife para fazê-lo como o fazem aqueles que elegemos para reger o país.

A desgraça continuará ali, os grandes e pequenos desonestos permanecerão existindo e se multiplicarão à medida que nada fazemos para algo mudarmos! O tempo passa, tudo passa! Não é? Não, de forma alguma!

Cada qual, individualmente ou em grupo, fazendo sua parte na sociedade, com ética, pode colaborar para as grandes e pequenas mudanças do mundo!

Ao invés de expor-se a um transeunte patriotismo em prol de um jogo de futebol, porque não combinar o festejo à luta (esta que nos falta)?

Um Estado descente não se faz descente da forma com que procedemos. É preciso mudar e tomar como modelos aqueles que realmente lutam por nós e querem o bem-comum, não apenas o seu próprio!

Se é possível fazer bem ao próximo, porque não fazê-lo? Se é possível não fazer mal ao próximo, porque fazê-lo?

Questiona-se o funcionamento de nossas marionetes, que insistem em amarrar-se às mil cordas, submetendo-se mais e mais aos controles dos outros!

Critica-se, acima de tudo, essa política de pão e circo tão bem sucedida em nosso Estado!

Ainda não tarda que ergamos nossas bandeiras por algo maior! Já não é tempo de sermos verdadeiros patriotas!?