Moléculas de Inexistência

É complicado! O que é complicado?

A relação interpessoal é complicada, exageradamente complicada!

Doutrinamo-nos para que uma muralha sempre esteja estrategicamente erguida ao nosso redor, afinal, temos que resguardar as preciosidades que guardamos dentro de nós e impedir que qualquer um a acesse e deprede! O mundo perfeito, certo?!

A questão é que a construção desta muralha e a manutenção de uma boa guarda que filtre os acessos é custosa e, para alguns inviável, justamente porque o que temos dentro de nós busca, às vezes, ser completado por elementos externos. Percebem o problema?!

Esse algo dentro de mim anseia ser aceito e ser querido! Eis a fragilidade de minhas defesas.

Quando nos esforçamos para proteger-nos e o que protegemos tenta lançar-se para fora e para longe de nossas defesas, está armado o palco da tragédia. Qualquer um consegue acesso livre às nossas fragilidades e, não raro, utilizam-se disso para ferir-nos! Entregamos, ainda que involuntariamente, carinho e amizade e, em retorno, recebemos estocadas violentas que vão desde a falta de confiança até a ideia de superioridade ou a confusão entre amizade sincera e permissão para a falta de respeito!

Vislumbro a cada passo que dou e a cada acesso que forneço para falsas pessoas com funestas intenções, que sou a ingênua que acredita em amizade, respeito, confiança! Incessantes traições açoitam minha alma e minha fé! Ainda assim, sou incapaz de não me entregar novamente, pois não é racional esse movimento! É puramente a revoltosa ânsia de buscar algo fora de mim que me lança cegamente ao encontro das garras mal intencionadas ou egoístas demais para cuidar de algo além de si mesmas.

Não tenho festas a ofertar, tampouco bens de matéria! Ofereço de bom grado, a ponto de ser ferida com freqüência, a confiança e o amor, a companhia e a fidelidade, o respeito e a certeza de uma amizade verdadeira!

É lamentosa, entretanto, a conclusão a que chego: se por um lado estou disposta a doar-me, por outro, não sou digna de que pessoas que me são caras doem-se igualmente a mim! Ao contrário, ferem-me, desrespeitam-me, machucam-me!

E continuo sendo constantemente vítima destas agressões. Por quê? Simples! Por pior que sejam meus carrascos, temo magoá-los! Eu não gosto de ser ferida, eu não gostaria que despejassem as tristezas e rancores sobre mim, isso iria me magoar! Logo, contenho-me ao máximo para não agir assim com outras pessoas. É preciso levar-me ao extremo, ao ponto em que não há retorno.

Aqui, temos uma valorosa lição: não tratar como preciosidades as brutas pedras que nos tratam como simples moléculas de inexistência!

É preciso aprender algo ainda maior: não confiar! E que sejam aqueles as moléculas de inexistência, não eu!

Anúncios

O oco

 

Fere-me a consciência de que sou culpada pelo meu próprio entristecer! Inocente e ingênua deixo-me levar por convivências e passo a crer em amizades que existem apenas em minha tola ilusão! Eis que me oferecem uma amizade de oportunidade e eu a aceito como sincera!

Sou tola e admito que sou culpada de meu próprio sofrimento! Veja, pois, que cada desilusão e tristeza que se seguem não são decorrentes da atitude daqueles, que me sorriem quando bem lhes entende! Sou minha própria vilã, na medida em que deposito minhas moedas nessas amizades e acredito que, de repente, pode ser que as coisas mudaram e que, finalmente, estou sendo aceita e querida!

Peço que meus amigos sinceros perdoem-me pelos dizeres, de qualquer forma, estes não os alcançam! Infelizmente, contudo, nossas obrigações profissionais e nossos relógios não nos permitem estar juntos tanto quanto desejo! Em razão disso, o restante das minha horas tende a ser vazio, um oco doloroso apodera-se do meu peito!

Fundo do poço: O degrau para reerguer-se!

Há fatos que nos inserem em momentos introspectivos, a pensamentos, filosofias e fé! Que nos tocam com uma profundidade singular e nos abala de certa forma, que nos semeia a incompreensão e as incógnitas.

Quem sou eu para julgar alguém que não se veste das minhas dores e experiências, de fato, não hei de julgar! É, contudo, impossível não pensar!

O que motiva estes meus densos pensamentos? Hei de contar-lhes, sem dar nome aos santos! Há dois anos, aproximadamente, eu e meu irmão nos formamos, eu em Direito, ele em Medicina Veterinária. Neste meio tempo, tanta coisa aconteceu em nossas vidas e na vida daqueles que cruzaram nossos caminhos na graduação, coisas que culminaram em felicidades e infelicidades, que resultaram em boas vibrações e péssimas vibrações. Eu não sei, ao certo, o que aconteceu na vida daquela menina, não conheço seus sucessos e insucessos! Na terça-feira, este é o fato que estimulou minha introspecção, esta colega de faculdade do meu irmão cometeu suicídio, não importa como, não importa onde! Uma jovem com a promessa de uma vida, que, por algum motivo, deixou-se levar com o vento! Quem sou eu para julgá-la? Quem sou eu para tentar entender?

Choca-me, contudo, a proximidade de tal acontecimento! Eu não a conhecia, contudo, ela me era mais próxima do que qualquer outro suicida que eu tenha ouvido falar: amiga de meu irmão! Alguém de que eu ouvira falar algumas vezes, alguém na casa de quem meu irmão estivera em festa, alguém com quem conviveu durante cinco anos de sua vida!

Abala-me, nesta história, minha crença espiritual, pois acredito que o suicida, via de regra, não descansa em paz nessa desencarnação, tampouco se encaminha para um lugar melhor. Haverá, pois, de arcar com as conseqüências da agressão que cometeu contra a própria encarnação, independentemente do sofrimento que açoitou-lhe até o trágico momento.

Oro, contudo, para que Deus se compadeça do espírito dessa moça e possibilite que ela logo reencarne, para vencer e transcender as dificuldades que, nesta encarnação finda, foram maiores do que seus ombros poderiam suportar.

É neste contexto, meus caros leitores, que lhes suplico a virtuosa paciência e que rompam orgulhos e preconceitos a fim de buscar ajuda para solucionar e carregar os problemas que lhes são demasiadamente densos! As cruzes que lhes são entregues não hão de ser carregadas apenas por vocês, as pessoas que amamos podem ajudar-nos, os profissionais da psicologia estudam e dedicam-se para orientar-nos!

Ainda assim, se carregar o fardo for cada dia mais penoso, reverta seu sofrimento ajudando o próximo! Sei que encontrar forças para isso quando nossa vida parece um poço profundo, úmido e mergulhado em trevas, é difícil e, aparentemente, impossível! Digo, contudo, que quando chegamos ao fundo do poço é o momento de reerguer-se! Doar um pouco de si àqueles que precisam, muitas vezes, é a cura que jamais procuramos!

Dicas: Como não se vestir (2)

Caros leitores, simplesmente foi impossível não retomar a série “Dicas: Como não se vestir”!

Apreciando os guarda-chuvas indo e vindo sob a insistente chuva de Curitiba e as pessoas sob eles encolhidas, acabei por notar a indiscrição de duas moças risonhas e mergulhadas em gracejos. Uma delas, diga-se de passagem, chamava a atenção de homens e mulheres e, claramente, pensava estar ‘abafando’. Ela vestia uma calça leg e esta, por sua vez, estava um tanto quanto transparente na região do bumbum, exibindo levemente o tom da pele e a calcinha fio-dental.

Pensei em três hipóteses: i) Ela não possui o hábito de olhar-se no espelho; ii) Ela não possui amigos que avisem dessas coisas que podem acontecer a qualquer um; e iii) É uma exibida, para não dizer outra coisa.

O fato é que transparências deve ser usadas com moderação e com uma pitada de bom senso! A sensualidade e a beleza envolvidas nesse tipo de roupa não estão em exibir a intimidade ou o tronco, mas sim exibir o suficiente para subentender o que há coberto sem alcançar a vulgaridade!

Penso, por exemplo, que a barriga deve permanecer no mistério das roupas, seja uma silhueta enxuta ou com pneuzinhos aqui e acolá! Se pretende vestir uma blusa transparente, uma inibidor de transparência para ocultar os seios e a barriga é recomendado e não compromete a graciosidade da composição! Podem exibir, por sob a transparência, os ombros e o contorno da clavícula.

Se pretende trajar um vestido ou uma saia que possuam o mínimo grau de transparência, recomendo, igualmente a associação com uma anágua ou um inibidor de transparência.

Qual a graça de um homem cortejá-las se nada mais há para descobrir e se já exibem seus corpos a todos os transeuntes! O cuidado é fundamental para que não seja confundida a utilização de peças transparentes com a vulgaridade de uma mulher dada, aquelas marcadas por esse conceito serão tidas, via de regra, apenas como um fácil objeto, de fácil acesso e de fácil dispensa!

O que nos torna belas é sabermos agir e nos comportar, sermos inteligentes e esforçadas! Desfilar sem os mínimos pudores dilacera e distorce a boa imagem!

Dicas: Como não se vestir

Nas indas e vindas pelas ruas, meus olhos deparam-se com tipos e tipos de pessoas, com seus tipos e tipos de cabelos e roupas, seus tipos e tipos gestuais, seus tipos e tipos de ser.

Inspirada por esses pequenos encontros e desencontros com desconhecidos que, possivelmente, jamais irei conhecer, pensei em escrever uma série de posts voltados para tipos e tipos de vestimenta.

Respeito os gostos e estilos de cada pessoa, mas convenhamos que há mulheres perambulando sem o menor respeito próprio ou sem a menor noção do adequado. Não digo sobre combinação de cores e estampas, digo sobre comprimentos, decotes, aberturas, transparências e afins.

Assim, as primeiras vítimas da minha língua ferina serão as saias, ou melhor, as minissaias!

A maior parte das pessoas não é modista ou estilista, não temos a necessária obrigação de conhecer quais são os melhores modelos para o nosso tipo de corpo. Assim, não venho tratar de saias que engordam ou emagrecem, que esticam ou achatam, que valorizam ou apagam. Tampouco, menciono as estampas! Embora não possa conter um conselho: via de regra, estampas diferentes não se misturam! Assim, por exemplo, se veste saia ou calça florida ou xadrez, o ideal é que a camisa seja lisa! A recíproca é verdadeira! É claro que há estampas que podem ser combinadas, mas a dica garante que você não errará!

Voltando às saias!

Minissaias são peças bonitas e vestem bem mulheres esbeltas! Saliento: Esbeltas! Pessoas mais gordinhas e com cochas muito grossas não são exatamente privilegiadas ao vestir esse modelito, engorda e fica realmente feio! Aprenda a valorizar-se com saias um pouco mais compridas, com aproximadamente cinco dedos acima dos joelhos.

O ponto mais relevante, contudo, é o tal do comprimento. As moçoilas tendem a confundir minissaias com microssaias! Mostrar parte das cochas é bonito e valoriza o corpo da mulher. Agora, mostrar polpa do bumbum ou o bumbum inteiro, dependendo do movimento, é vulgar! Há um abismo enorme entre a mulher bem vestida e a mulher desesperada para chamar atenção dos homens! Estas, definitivamente, tendem a ser apenas diversão passageira.

Respeitem a si mesmas e a seus corpos! Microssaias são vulgares e atribuem àquelas que as vestem a imagem de uma mulher pouco respeitável e, perdoem-me o termo, vadia.

Além disso, é importante discernir os modelos de saia passíveis de serem vestidos nesta ou naquela ocasião. É certo que existem minissaias sociais, mas não sugiro que as utilizem em um ambiente de trabalho mais sério, como um escritório de advocacia, também evite-as em reuniões com clientes ou sócios. Se você quer ser respeitada no seu ambiente de trabalho e ser reconhecida pela sua competência, é fundamental que não tente incorporar aquelas personagens de filmes que transbordam sensualidade e conquistam, no máximo, uma boa pensão alimentícia.

Em praias ou parques, por exemplo, minissaias são bem-vindas, desde que respeitados os limites de comprimento que definem o vulgar!

Outro detalhe importante, vestir saias exige postura e comportamento. Em qualquer situação, andar ou sentar com as pernas abertas gera a imagem de desleixo. Com saias, isso é ainda mais destacado e corre-se o risco de exibir ao público aquilo que deveria estar bem guardado.

Mulheres de todas as idades, sejam adolescentes ou adultas, respeitem a si mesmas e resguardem seus corpos.

Se você quer conquistar os homens, faça-o por seus dotes, inteligência e simpatia, jamais por mostrar seu corpo. Tenha o menor pudor e guarde certos detalhes para os momentos de intimidade, ao invés de exibi-los para qualquer um que passe na rua!

Se a sua auto-estima está baixa, expor-se não vai ajudar! Afinal, será tratada como um objeto descartável! Você faz a sua auto-estima, não os outros!

Respeite-se!