Firuriruriu, Brasil!

Imagem

Anúncios

Amargura

… E assim mergulhei na amargura,
que transformou de pétalas um sonho,
tornou-o um leito de tristeza pura!
Eis que meu coração tornou-se tristonho!

Os sóis de meus dias iluminados
sorriram uma última vez
e sem pestanejar ficaram minguados,
anunciando o fim de sua calidez.

Sopram gélidos os ventos,
expandem-se as soturnas nuvens
os tons de cinza são monstros sedentos.
Anunciam: Tiramos tudo o que já não tens!

Caminhos árduos e tortuosos!
A menina cheia de sonhos e pureza,
lançada foi aos mares espinhosos!
Está sufocada no escuro das profundezas!

Sangra-me em abundância a alma
e o coração ritma numa taciturna balada!
A consciência suplica: Vás com calma!
Os sentimentos gritam: Mas estás sufocada!

A luva de pelica chicoteia
e a face d’alma arde!
Emaranhada em uma teia,
a cada dia, parece que já é tarde (demais)!

À distância, soa o sorriso antigo!
Ao longe, brilha o envelhecido crer!
Ao lado, a frustração está contigo!
Vê-se, então, pouco a pouco morrer!

O Fantasma da Ópera

Se me perguntarem qual meu filme predileto, aquele que faz meu coração palpitar, inebria minha mente, instiga meus sonhos e assim por diante, não haverá hesitação ou segundos para averiguações. “O Fantasma da Ópera” (The Phantom of the Opera) é, sem dúvida nenhuma, o que melhor se enquadra nesta ideia, sua história atiça-me e suas músicas emocionam-me, levam-me a cantar e a sentir algo que simples palavras não são capazes de expressar! Cada nota e cada palavra levam meu coração a um bater diferenciado!

A versão que me apraz, tanto pela produção quanto pela interpretação musical, e especialmente por este quesito, é a de 2004 (http://www.imdb.com/title/tt0293508/)! Sem dúvidas!

Admito, neste momento, que não havia encontrado outras versões das melodias que me levassem ao mesmo nível de êxtase,  ou que me agradassem! Isso mudou hoje, pois Lindsey Stirling surpreendeu-me novamente! Sua releitura e compilação dos temas de “O Fantasma da Ópera” ficou simplesmente incrível!

É claro, ainda não reflete em mim o mesmo efeito que encontro nas trilhas originais do filme, mas não perde o brilho e não deixa a desejar!

 

 

Mutações e Adaptações: A fluidez da existência!

O mundo é feito de mutações! A vida, de adaptações!

Percebem quão intrínsecas e dependentes são estas conclusões?

Na verdade, a adaptação nada mais é do que uma forma de mudança ou uma reação à mudança! Assim, conforme o todo está movendo-se em um fluxo fluido, é fundamental que estejamos em harmonia, permitindo que as correntezas nos levem e que nossas mentes sejam tão flexíveis quando uma folha que se deixa cair do galho. Ser flexível e adaptar-se a mudanças não significa abandonar preceitos morais e éticos, princípios e crenças!

Creio piamente nesses conceitos de flexibilização e potencialização da nossa capacidade de adaptar-nos em harmonia com as mutações da existência! Nenhuma adaptação pode ser considerada finda, vez que as mudanças são frequentes e infinitas. Assim, toda adaptação é um fluido que deve serpentear ao sabor das águas e dos ventos, sem nunca estagnar.

A teoria é tão simples, não?!

A prática diverge da essencialidade simplista! Aprender a harmonizar nossa mente e nossa energia com toda essa constante renovação é um trabalho árduo, ainda mais quando somos tão resistentes a mudanças, que, por vezes, nos provocam a sair de uma posição cômoda e agradável, de um momento de felicidade e plenitude que desejamos seja eterno! Bem sei e sei melhor do que podem imaginar, pois sou apegada o suficiente a pedacinhos do meu passado que no passado ficaram e que não posso trazer para meu hoje ou para o meu futuro!

Sabem a conseqüência da resistência à mudança, à adaptação? Sofrimento! Depressão! Desânimo! Bem sei e é contra isso que luto todos os dias, ou melhor dizendo, conforme novos conhecimentos adentram em minha mente, venho tentando não lutar contra as modificações, quero ser um fio d’água a correr conforme corre o mundo!

Prender-nos à rigidez de únicas verdades e possibilidades é contrário à harmonia da vida e da evolução, especialmente a psicológica e espiritual!

É importante e fundamental que sejamos o vento a soprar por todos os cantos, contornando cada estrutura e seguindo seu caminho; que sejamos as águas a percorrerem o mundo, desviando, caindo, seguindo; que sejamos o peixe nadando com a corrente, não contra ela, ou o pássaro voando com as brisas a seu favor.

Aceitar adaptações não significa não lutar pelo que se acredita, não significar ir contra as próprias motivações, é saber utilizar as mudanças e movimentos em prol de cada motivo, cada acreditar, cada lutar, cada respirar e cada viver!

Acredito, então, em duas palavras-chaves à vida e ao caminho para a felicidade, pois implicam na harmonia do nosso ser com o todo, são elas: Mutação e Adaptação!

Grupo Epopeia

Sob um cálido sol e um calor inabitual saí de casa, rumo à Gibiteca de Curitiba, onde tenho gozado de saborosas aulas de histórias em quadrinhos!

A mente, mais perdida do que cego em tiroteio, esqueceu-se de reservar alguns tostões para pagar o curso em questão.

EI! ESPERE! Não pare de ler agora, considero que chegar ao cerne exige um caminhar pelo introito que, aparentemente, não tem nada a ver com o Grupo Epopeia! Então, seja paciente e prossiga com um sorriso na face!

Desviei meu caminho para sacar o dinheiro e pagar o curso de HQ e, como pessoa precavida, não saquei um centavo a mais do que precisava para quitar a mensalidade! Pois vejam, estou prestes a chegar ao ponto!

Estava eu caminhando pela Rua XV, pensando em mil ideias que tive sobre rumos para um de meus livros, quando um rapaz intercepta meus passos e minhas divagações. Ele (Cristiano) é integrante do Grupo Epopeia e contou-me brevemente sobre os 16 anos deste grupo de poetas que divulga seus trabalhos no boca-a-boca, distribuindo cadernos de poesia em troca de uma colaboração voluntária.

Encantada com a iniciativa, com a beleza dos desenhos e com algumas poucas palavras que li durante a conversa, aceitei o caderno de poesias e abri a carteira para dar-lhe minha colaboração. Neste momento fatídico, esta que vos fala e que foi uma completa idiota, descobre que, além do dinheiro para pagar o curso, tem apenas uma meia dúzia de trocados.

Ainda calculo o que fere mais, o fato de ter aceitado ficar com essa obra de arte por tão pouco, porque tive medo de nunca mais vê-los por ali (pois nunca os havia visto, apesar de seus 16 anos por aquelas bandas), ou a feição de frustração e decepção do jovem poeta. Admito que o peso é um insulto para minha alma, pois como amante das artes, pude sentir o que ele sentiu e, além disso, senti-me como uma dentre os muitos que não dão valor à beleza das artes e dos esforços daqueles que as praticam.

Este post, pois, possui dois intentos.

O primeiro. Caso algum dia o Cristiano, ou qualquer outro integrante do Grupo Epopeia, acabe se perdendo neste blog, peço minhas sinceras desculpas e espero, de coração, que possam perdoar-me a ofensa.

O segundo. Divulgar a beleza e a graça do trabalho que hoje conheci! Fui cativada e enlaçada pelas palavras e ilustrações contornadas nas 18 páginas! Para conhecerem mais sobre essa minha nova sugestão, podem dar uma banda pela Rua XV e torcer para encontrar algum dos integrantes do Grupo Epopeia ou podem acessar a página: http://grupoepopeia.blogspot.com.br/.