Mutações e Adaptações: A fluidez da existência!

O mundo é feito de mutações! A vida, de adaptações!

Percebem quão intrínsecas e dependentes são estas conclusões?

Na verdade, a adaptação nada mais é do que uma forma de mudança ou uma reação à mudança! Assim, conforme o todo está movendo-se em um fluxo fluido, é fundamental que estejamos em harmonia, permitindo que as correntezas nos levem e que nossas mentes sejam tão flexíveis quando uma folha que se deixa cair do galho. Ser flexível e adaptar-se a mudanças não significa abandonar preceitos morais e éticos, princípios e crenças!

Creio piamente nesses conceitos de flexibilização e potencialização da nossa capacidade de adaptar-nos em harmonia com as mutações da existência! Nenhuma adaptação pode ser considerada finda, vez que as mudanças são frequentes e infinitas. Assim, toda adaptação é um fluido que deve serpentear ao sabor das águas e dos ventos, sem nunca estagnar.

A teoria é tão simples, não?!

A prática diverge da essencialidade simplista! Aprender a harmonizar nossa mente e nossa energia com toda essa constante renovação é um trabalho árduo, ainda mais quando somos tão resistentes a mudanças, que, por vezes, nos provocam a sair de uma posição cômoda e agradável, de um momento de felicidade e plenitude que desejamos seja eterno! Bem sei e sei melhor do que podem imaginar, pois sou apegada o suficiente a pedacinhos do meu passado que no passado ficaram e que não posso trazer para meu hoje ou para o meu futuro!

Sabem a conseqüência da resistência à mudança, à adaptação? Sofrimento! Depressão! Desânimo! Bem sei e é contra isso que luto todos os dias, ou melhor dizendo, conforme novos conhecimentos adentram em minha mente, venho tentando não lutar contra as modificações, quero ser um fio d’água a correr conforme corre o mundo!

Prender-nos à rigidez de únicas verdades e possibilidades é contrário à harmonia da vida e da evolução, especialmente a psicológica e espiritual!

É importante e fundamental que sejamos o vento a soprar por todos os cantos, contornando cada estrutura e seguindo seu caminho; que sejamos as águas a percorrerem o mundo, desviando, caindo, seguindo; que sejamos o peixe nadando com a corrente, não contra ela, ou o pássaro voando com as brisas a seu favor.

Aceitar adaptações não significa não lutar pelo que se acredita, não significar ir contra as próprias motivações, é saber utilizar as mudanças e movimentos em prol de cada motivo, cada acreditar, cada lutar, cada respirar e cada viver!

Acredito, então, em duas palavras-chaves à vida e ao caminho para a felicidade, pois implicam na harmonia do nosso ser com o todo, são elas: Mutação e Adaptação!

Onde está meu “eu”?

Um algo de mim perdeu-me nessas idas e vindas, nos caminhos e descaminhos que cruzaram e descruzaram os meus passos que vêm e vão.

Estou, contudo, tão cansada para procurá-lo, tão exausta e rastejante sobre meu próprio ser…

O relógio rouba-me a liberdade! O cansaço dilacera, até mesmo, a capacidade de pensar, de sonhar, de sorrir! Os passos tropeçam em si e os pés pesam como grilhões, os ombros doem como se Atlas eu fossem! Onde está o ar para que eu possa respirar?

Onde está meu “eu”, que se perdeu de mim!? Seja, talvez, apenas breu! Quem dera fosse uma folha de papel, que pode ser encontrada amassada a um canto ou sob pilhas de qualquer coisa, em uma gaveta ou sob a cama!

Lindsey Stirling & Peter Hollens

Sou incapaz de me encantar com algo e não querer partilhar com vocês, meus queridos leitores!

Hoje, após assistir uma série de vídeos da Lindsey Stirling e ser ainda mais cativada pelo seu lindo trabalho, resolvi postar mais um! E, devo admitir, foi uma tarefa árdua, porque eu simplesmente queria que vocês vissem TODOS!

Além disso, recordam-se que, no post anterior, apresentei-lhes o tema do jogo Skyrim interpretado por Lindsey e Peter Hollens?! Well, também andei vasculhando os trabalhos dele, especialmente em seu canal no youtube (http://www.youtube.com/user/peterhollens) e selecionei dos vídeos para que vocês possam regozijar como eu!

Apaixonem-se! Encantem-se! Invejem!

 

Lindsey Stirling

AH INVEJA! Sou uma invejosa nata, especialmente quando o assunto em pauta é a arte! Quando a arte se expressa pela música e pela ilustração, nem se diga!

Hoje, descobri um novo objeto para minha inveja saudável e quase deprimente. Seu nome é Lindsey Stirling, uma violinista, dançarina e compositora que foi revelada ao mundo em 2010! É o que descobri em uma breve leitura pelo Wikipédia!

Abaixo, segue um dos muitos vídeos postados no canal do youtube da Lindsey Stirling. Espero que gostem do trabalho dela tanto quanto eu gostei! Espetacular e lindo!

Dicas: Como não se vestir (2)

Caros leitores, simplesmente foi impossível não retomar a série “Dicas: Como não se vestir”!

Apreciando os guarda-chuvas indo e vindo sob a insistente chuva de Curitiba e as pessoas sob eles encolhidas, acabei por notar a indiscrição de duas moças risonhas e mergulhadas em gracejos. Uma delas, diga-se de passagem, chamava a atenção de homens e mulheres e, claramente, pensava estar ‘abafando’. Ela vestia uma calça leg e esta, por sua vez, estava um tanto quanto transparente na região do bumbum, exibindo levemente o tom da pele e a calcinha fio-dental.

Pensei em três hipóteses: i) Ela não possui o hábito de olhar-se no espelho; ii) Ela não possui amigos que avisem dessas coisas que podem acontecer a qualquer um; e iii) É uma exibida, para não dizer outra coisa.

O fato é que transparências deve ser usadas com moderação e com uma pitada de bom senso! A sensualidade e a beleza envolvidas nesse tipo de roupa não estão em exibir a intimidade ou o tronco, mas sim exibir o suficiente para subentender o que há coberto sem alcançar a vulgaridade!

Penso, por exemplo, que a barriga deve permanecer no mistério das roupas, seja uma silhueta enxuta ou com pneuzinhos aqui e acolá! Se pretende vestir uma blusa transparente, uma inibidor de transparência para ocultar os seios e a barriga é recomendado e não compromete a graciosidade da composição! Podem exibir, por sob a transparência, os ombros e o contorno da clavícula.

Se pretende trajar um vestido ou uma saia que possuam o mínimo grau de transparência, recomendo, igualmente a associação com uma anágua ou um inibidor de transparência.

Qual a graça de um homem cortejá-las se nada mais há para descobrir e se já exibem seus corpos a todos os transeuntes! O cuidado é fundamental para que não seja confundida a utilização de peças transparentes com a vulgaridade de uma mulher dada, aquelas marcadas por esse conceito serão tidas, via de regra, apenas como um fácil objeto, de fácil acesso e de fácil dispensa!

O que nos torna belas é sabermos agir e nos comportar, sermos inteligentes e esforçadas! Desfilar sem os mínimos pudores dilacera e distorce a boa imagem!